domingo, junho 18, 2006

Cenas de um Equívoco com 800 e tal anos (também conhecido como Portugal) - XII - Reformados Activos

REFORMADOS ACTIVOS – SOMOS OS MELHORES
Ao menos num capítulo ninguém nos bate, seja na Europa, nas Américas ou na Oceânia: nas políticas sociais de integração e valorização dos reformados. Aí estamos na vanguarda, mas muito na vanguarda. De acordo, aliás, com estes novos tempos, em que a esperança de vida é maior e, portanto, não devem ser postas na prateleira pessoas ainda com tanto a dar à sociedade. Nos últimos tempos, quase não passa dia sem que haja notícias animadoras a este respeito. E nós que não sabíamos! Ora vejamos:
· O nosso Presidente da República é um reformado;
· O nosso ministro das Finanças é um reformado;
· O nosso anterior ministro das Finanças já era um reformado;
· O ministro das Obras Públicas é um reformado;
· Gestores activíssimos como Mira Amaral (lembram-se?) são reformados;
· O novo presidente da Galp, Murteira Nabo, é um reformado;
· Entre os autarcas, "centenas, se não milhares" de reformados – garantiu-o o presidente da ANMP (Associação Nacional de Municípios Portugueses);
· O presidente do Governo Regional da Madeira é um reformado;

E assim por diante...
Digam lá qual é o país da Europa que dá tanto e tão bom emprego a reformados?
Que valoriza os seus quadros independentemente de já estarem a ganhar uma pensãozita? Que combate a exclusão e valoriza a experiência dos mais (ou menos...) velhos? Ao menos neste domínio, ninguém faz melhor que nós. Ainda hão-de vir todos copiar este nosso tão generoso "Estado social"...
Joaquim Fidalgo, Jornalista.

E-mail enviado por CA.

3 comentários:

O Bicho disse...

Por este andar e com esta política de emprego, os jovens licenciados (ou não) só vão conseguir arranjar emprego quando estiverem quase na idade da reforma, ou seja, somente quando os reformados activos que açambarcam tudo o que é cargo de administraçao e direcção estiverem definitivamente reformados, no outro mundo.
E depois, os jovens de agora já não vão ter direito a trabalhar na reforma, porque não vão ter direito a reforma.

O Bicho disse...

Faltou dizer:
Eu, que afirmo estas coisas, já estou quase quase na reforma e até lá (à reforma) não vou fazer nada.
Depois... logo se vê???

Rui Salvador disse...

Urge a criação de um novo curso superior (e aproveitando o Tratado de Bolonha):
Licenciatura em "Reformado" - 3 anos;
Mestrado em "Reforma Antecipada" - 2 anos;
Doutoramento em "Não fazer coisa nenhuma a vida toda ou, como ser um político de sucesso" - 3 anos.